PODCAST BNI BRASIL | #597 – SPRINTS DO NETWORKING

PODCAST BNI BRASIL | #597 – SPRINTS DO NETWORKING

POR IVAN MISNER, BNI FOUNDER

EPISÓDIO 597: “Sprints do Networking

OUÇA MAIS NA PLAYLIST PODCAST BNI BRASIL

 

Episódio 597 – Sprints do Networking (Podcast Clássico)

Retransmissão do Podcast 444

Priscilla:

Olá pessoal e bem-vindos de volta ao Podcast Oficial do BNI. Sou Priscilla Rice, e venho até vocês através do estúdio de gravação Oak, em Berkeley, Califórnia. Hoje estou no telefone com o fundador e Presidente do BNI, Dr. Ivan Misner. Olá Ivan. Como e onde você está?

Ivan:

Hey. Priscilla! Essa semana eu estou em Austin, Texas, e estamos fazendo uma grande reunião para o BNI.

Priscilla:

Isso é ótimo. Me fale mais sobre esses sprints e networking. O que é isso?

Ivan:

O que sprints e networking têm a ver um com o outro, certo? Sprint é quando pessoas correm até pontos marcados – eu vi isso pela primeira vez no futebol americano. Sabe, o técnico apita e você corre como nunca, até onde foi marcado. Não importa a distância. Eles correm muito rápido em um pequeno espaço.

É uma parte dos fundamentos do futebol americano, e eu vou juntar isso ao BNI e ao networking daqui a pouco. Eu quero contar uma história. Eu aprendi uma lição muito importante sobre os fundamentos do sucesso quando eu jogava futebol americano no ensino médio muito, muito tempo atrás.

Nós tínhamos um time muito bom no meu primeiro ano do ensino médio. Eu tinha 16 anos quando comecei aquele ano. A maioria dos membros do time também. No ano seguinte, a maioria do time eram veteranos, e havia altas expectativas para aquela temporada, porque a maioria do time eram veteranos e por isso seriam mais maduros. Uma situação dessas talvez possa – você provavelmente nunca viu isso entre adolescentes, Priscilla, mas isso talvez nos fez um pouco confiantes demais.

Quando a temporada começou, nós pensamos que tínhamos muita experiência. No futebol, eles têm esse bruto ritual de passagem que é conhecido como a Semana Infernal. É chamado de Semana Infernal por uma boa razão. O condicionamento ao qual o time é submetido é um inferno! O time não faz muita coisa além de exercícios. Eles têm que fazer exercícios isométricos, sprints, sprints curtos o mais rápido que conseguir, bater em sacos, manequins, executar jogadas, caídas. Eu já mencionei os sprints?

Priscilla:

Sim, mencionou.

Ivan:

Sprints, subir e descer os degraus do estádio correndo, bater nos trenós. Eles têm esses trenós gigantes, e são feitos ferro. Não são de alumínio, são feitos de ferro. Então eles pegam os 2 técnicos mais gordos conhecidos pela humanidade. Eles ficam nesses trenós e você tem que acertar e derrubar eles. Eu já mencionei sprints? Tantos sprints! Muitos, muitos sprints.

Fizemos isso por dias. Eu nunca nem vi a bola. Eu vi a bola quando o treinador jogou a bola nas minhas costas por não correr rápido suficiente. Caso contrário, não podíamos tocar na bola. Não fazíamos as jogadas.

Nós sabíamos que éramos um time e que não precisávamos passar por tudo aquilo. Só queríamos jogar, não ficar correndo ao redor do campo e batendo em sacos. Então tivemos a brilhante ideia de talvez falar com o treinador. Falar para ele que não queríamos mais correr sprints. Não queríamos mais fazer os exercícios de condicionamento. Só queríamos jogar futebol.

Agora, pela minha experiência, treinadores geralmente tem duas respostas pra tudo que eles não gostam. A primeira é “não”. E a segunda é “que parte do não você não entendeu?”

Quando fomos até ele e dissemos que não queríamos mais fazer essas coisas, imagine a nossa surpresa quando ele disse: “Ok. Tudo bem. Vou fazer um acordo com vocês. Vocês vão chegar aqui uma hora mais cedo amanhã. Vamos dar uma pequena volta de ônibus. Depois eu quero apenas dizer algumas palavras. Se vocês quiserem largar o programa de condicionamento, depois disso, tudo bem, vocês podem”.

Nós estávamos tipo, “tá brincando? Viagem? Sem sprints? Estamos dentro. Nós vamos”.

Então, chegamos lá bem cedo no outro dia. Fomos de ônibus até uma universidade estadual no sul da Califórnia onde eu cresci. Naquela época, a universidade era um dos campos de treino do Los Angeles Rams. Percebemos então que íamos assistir o treino deles ao vivo. Nós ficamos muito animados. Estávamos deslumbrados.

Uma coisa é você estar em um estádio de futebol olhando para o campo, mas uma coisa completamente diferente é você estar dentro do campo. Nós estávamos lá no campo. Parecia tão maior. Claro, os jogadores – Priscilla, você já viu um jogador de futebol americano de perto?

Priscilla:

Não, mas eles são enormes!

Ivan:

Esses caras são enormes. Para os que estão ouvindo este podcast, olhe ao redor da sala. Olhe para o batente da porta, ok? Imagine um homem desse tamanho com um capacete, imponente e um olho na testa. Esses caras são gigantes. Tinham alguns maravilhosos jogadores. Rosey Grier, Merlin Olsen, Jack Youngblood. Esses eram os nossos heróis. Eles eram incríveis, incríveis jogadores.

Nós vimos eles entrando no campo. Ficamos deslumbrados enquanto eles se jogavam na grama, pelas próximas duas horas e corriam os sprints! Eles batiam nos bonecos, nos sacos, corriam no lugar, batiam nos trenós e claro, muitos sprints.

A verdadeira maravilha a respeito disso é que eles não estavam fazendo o mesmo condicionamento que nós estávamos fazendo, eles estavam fazendo exatamente o mesmo condicionamento na exata ordem que nós fazíamos.

Acontece que nosso treinador era colega de quarto do assistente do técnico do Los Angeles Rams. Ele deu ao nosso treinador o livro de condicionamento dos Rams. Era basicamente o que estávamos fazendo.

Com certeza, era o treino leve dos Rams, mas era o mesmo tipo de programa. Então voltamos para o campus e o treinador nos tirou do ônibus, nos colocou em um grande semicírculo, e ele nos olhou e disse: “Meninos, não importa se você está falando sobre o futebol infantil, futebol no ensino médio, futebol profissional ou sobre a vida. Se você não aprender a executar os fundamentos sem falhas, se você não se comprometer com o condicionamento necessário, você nunca será um campeão dentro ou fora do campo. Não importa se estamos falando de futebol, escola ou trabalho. Quando saírem dessa escola e forem para a faculdade, vocês têm que aprender os fundamentos e as coisas que farão vocês terem sucesso na vida. Quando estiverem em suas carreiras profissionais, verão que existem fundamentos que vocês terão que aprender para serem campeões nessas profissões. Apenas os que desejarem desenvolver o condicionamento físico e mental necessário para executar os fundamentos serão bem-sucedidos. Isso é algo que vocês devem escolher. Eu não posso escolher por vocês, então vocês agora têm que decidir que tipo de time serão.”

Eu nunca vou esquecer o que ele disse: “Eu não posso forçá-los. Eu não posso fazer vocês fazerem o que não querem. Vocês têm que se comprometer. Agora, eu vou para meu escritório. Vocês vão conversar e decidir. Votem e vejam o que querem fazer.”

E ele foi embora. O que você que decidimos Priscilla?

Priscilla:

Com certeza vocês escolheram correr os sprints.

Ivan:

É. Levou alguns segundos. Ele nos fez trabalhar muito. A gente falava “é, sprints!” Eu odeio sprints. “É sprints! Temos que correr os sprints!”

Que lição! Fizemos uma ótima temporada, mas mais importante, aprendemos uma grande lição de vida. O sucesso vem para aqueles que executam os fundamentos perfeitamente, para aqueles que desejam fazer o condicionamento necessário para ter sucesso. Somente para aqueles que fazem um pouco mais. O segredo do sucesso sem trabalhar duro, ainda é um segredo.

É aí, que o networking se encontra com os sprints. Eu vou em reuniões de grupo e assisto a elas. Sabe, Priscilla, vamos ver se conseguimos tirar algo de uma reunião. Se você tivesse que escolher uma coisa que é repetida em cada reunião, o que seria? O que que todos fazem toda semana?

Priscilla:

As apresentações semanais, por exemplo.

Ivan:

Sim, as apresentações semanais, eu concordo completamente. Eu vejo pessoas se apresentando e eles estão caminhando durante os sprints, durante a apresentação deles. Eles ficam pensando no que dizer enquanto outros estão falando, ou eles apenas inventam algo na hora. Você pode vê-los “caminhando” durante o processo.

Por outro lado, eu vejo pessoas preparadas. Eles têm um pequeno plano de aula para ensinar o que fazem e como podem ser indicados. Essa preparação faz toda a diferença do mundo. Esse é o condicionamento que estou falando. Esses são os sprints de networking no BNI. É fazer o trabalho árduo necessário e não apenas caminhar durante o processo. É assim que você alcança o sucesso no programa do BNI.

Priscilla:

Isso faz todo sentido. Isso é bom.

Ivan:

É, veja bem, todos temos escolha. Podemos fazer o condicionamento e não me refiro apenas aos esportes agora. Podemos fazer o condicionamento necessário ou apenas podemos caminhar durante o processo. Estou aqui para te dizer que, comando o BNI por mais de 31 anos, e como um pouco de trabalho extra rende substancialmente grandes resultados uma vez após outra e após outra e assim constantemente. Bom, isso é tudo que eu tenho por hoje, Priscilla.

Priscilla:

Ok, excelente. Obrigada, Dr. Misner. Obrigado por escutar. Sou Priscilla Rice e esperamos que se una a nós na próxima semana para mais um animador episódio de Podcast Oficial do BNI.

Post Comment